Arquivo mensal: outubro 2015

A ILUSÃO DA ESCOLHA

Ao longo da vida tenho ouvido com frequência frases do tipo:

O povo não sabe votar

O povo não sabe escolher seus candidatos

Cada povo tem o governo que merece

São frases que transferem sempre para o povo, para o eleitor, a culpa pelos desmandos e mazelas do governo, pela má administração, pela corrupção. Mas será que isso é mesmo verdade?


Urna-eletronicaQuem foi que botou aquela corja para comandar, não fomos nós o povo?

Claro que não!

Ninguém colocou ninguém lá, eles se colocaram por conta deles mesmo, através de eleições fraudadas, urnas eletrônicas ‘batizadas’ (Smartmatic), contagem dos votos a portas fechadas, pesquisas compradas e tendenciosas e tudo o mais.


politicaEscolha difícil

Já lhe ocorreu que nem mesmo os candidatos são de nossa escolha? Eles são indicados, selecionados e depois apresentados a nós, os otários, que vão lá na urna escolher entre o candidato A, B, ou C (o mesmo que escolher entre merda, fezes ou bosta) e até votamos, mas não elegemos ninguém.


.

“Quem decide a eleição não é quem vota, mas quem conta os votos”

.


lewandoski


Desde 2004 que eu e um outro amigo ficamos sabendo de umas coisas sobre as urnas e como invadi-las e fraudá-las. Até mesmo nas eleições para prefeituras isso é possível. Já naquela época nós iniciamos um trabalho de denúncia através da Internet. Mas somente em 2012 é que a coisa escancarou, porque começaram a surgir cada vez mais denúncias, vindas de fontes deferentes.

Por que será que o voto impresso foi vetado?

Eu sou programador e tenho um sistema de Retaguarda e frente de caixa para supermercados credenciado para o Estado do Paraná. Em apenas cinco minutos, eu entro no código do programa e faço uma alteração para que um determinado produto, quando for passado no leitor de código de barras do caixa, seja exibida uma informação na tela, outra no cupom fiscal, outra na baixa do estoque e outra na listagem de vendas do dia. Isso porque eu sou um mero ‘programadorzinho’ e não tenho nem mesmo um curso técnico na área. Mas no caso do ‘frente de caixa’, nós temos o ‘cupom fiscal’ emitido pela impressora que é uma prova física de que o sistema foi fraudado. E no caso das urnas, como é que fica? Não há nenhuma prova física. Como é que se pode garantir que o que você digitou é exatamente o que está sendo gravado nos arquivos? Vou perguntar de novo:

Por que será que o voto impresso foi vetado?

12002565_980429251978984_6495191179521668977_o


presidents-selected

E nos tempos atuais, de Presidanta que propõe até estocar vento, a contagem dos votos é feita por um magistrado e à portas fechadas.

E ainda querem nos empurrar goela abaixo que nós é que somos os culpados, que foi nós que colocamos esses meliantes lá?

Ora, façam-me o favor!

Isso é o que se pode chamar de o supra-sumo do maquiavelismo: Primeiro fode-se com o povo e em seguida, culpa-se o próprio povo pelo mal que ele está sofrendo!


.

 

Anúncios

FAZER O BEM, COMO?

9960567Dinheiro que não acaba mais

Certa vez, quando eu morava em uma pequena cidade de Santa Catarina (26 mil habitantes), eu esta prestando serviço na Secretaria da Igreja Matriz da cidade (manutenção de sistemas de alarme). Era uma segunda-feira e a secretaria estava fachada ao público (fieis) por que era dia de contar dinheiro. Enquanto eu estava trepado numa escada ajustando um sensor, eu olhava em cima da mesa, que não era pequena, uma imensa fortuna em dinheiro. Nem mesmo quando eu prestei serviço ao Banco Itaú eu vi tanto dinheiro assim em cima de uma mesa e no caso do banco, eu tinha acesso direto à sala da tesouraria e ao cofre, devido à presença de sensores de alarme que requeriam revisões periódicas.


dinheiroPagando o dízimo

Voltando à mesa da secretaria, eram pilhas e mais pilhas de cédulas, somente de 100, 50, 20 e 10. Não havia cédulas de 5 ou de 2 Reais. Isso aconteceu em 2008. Outro detalhe as pilhas eram de cédulas abertas e não dobradas o que dobra as quantias ali presentes. As duas moças que ali trabalhavam estavam na ‘maior correria’, ligando para os bancos e agendando depósitos e acondicionando ‘pacoteiras’ de dinheiro em malotes apropriados. Como eu estava ali a serviço, havia momentos em que eu tinha que ir lá fora buscar alguma peça ou ferramenta e quando eu fazia isso, uma das moças corria e fechava a porta atrás de mim para evitar a entrada de outras pessoas. Numa dessas saídas, eu e meu colega de trabalho, ficamos próximos ao carro em frente à porta da secretaria enquanto ele fumava um cigarro. Nisso chega uma mulher idosa e se dirige diretamente à porta da secretaria que eu tinha deixado destrancada, mas fechada. No mesmo instante, por dentro, vem a moça e segura a porta na cara da senhora dizendo que não haveria atendimento naquele dia. A senhora, reclama com a moça e pede que quer falar com o Padre ao que a moça responde que o Padre não iria atender, pois era segunda-feira. A mulher então diz: minha filha eu vim de tão longe e eu precisava tanto falar com o padre, mas a moça irredutível lhe responde: “Sinto muito senhora, mas hoje não há a menor possibilidade de a senhora ser atendida”. A senhora idosa então insiste mais uma vez: “Puxa, minha filha, eu vim de tão longe, foi tão difícil chegar até aqui, inclusive eu vim pagar o dízimo”. A moça, mais do que depressa, abre a porta e diz para a senhora: “A SENHORA POR FAVOR QUEIRA ENTRAR!”


madre-teresaDoa a quem doar

Vejamos o caso da Madre Tereza de Calcutá. É muito fácil se dedicar a uma vida de fazer o bem quando se tem por detrás toda uma estrutura que banca você, que subsidia você, que assiste você, que abriga você, que alimenta você. Onde quer que ela vá, seja qual for o país do mundo, desde que haja uma igreja católica para ela se abrigar e se alimentar, sem problemas. Ela pode fazer todo o bem que quiser e ainda prestigiar e elevar o nome da ICAR. Agora, meu amigo, vá você fazer o que ela faz, não sendo membro ativo da ICAR, não tendo frequentado no mínimo um seminário, não sendo freira ou um padre ordenado, tendo que trabalhar para sustentar sua família, cumprir horário no emprego e pagar contas intermináveis…


vaticanoVai lá, você consegue!

Vá fazer o bem sem olhar a quem, quando na verdade, você não consegue nem fazer um bem a você mesmo, ou seja, se livrar das contas intermináveis… Pra depois de velho você descobrir que grande parte de suas contas intermináveis são dívidas com Bancos e que o acionista majoritário do(s) banco(s) a quem você deve, adivinha só… É o Vaticano! Você anseia por um mundo sem guerras, onde jovens não tenham que sair de suas casas e deixar para trás suas famílias para irem morrer em campos de batalha, lutando por uma guerra que não é e nunca foi deles e depois de velho você descobre que um dos maiores acionistas das indústrias armamentistas, adivinha só… É o Vaticano!