Arquivo mensal: abril 2016

UMA HISTÓRIA MAL CONTADA

Genocídio como ferramenta de mudança social e política

Trecho extraído do livro “Deuses do Éden – William Bramley”

Os primeiros escritores humanos frequentemente retrataram os deuses tutelares da humanidade como criaturas sedentas de sangue inclinadas a uma violência excessiva. Tristemente, estas qualidades lamentáveis não melhoraram com Jehovah. Durante o caminho do Egito para a Terra Prometida, Jehovah exigiu obediência irrestrita dos hebreus. Muitos humanos se rebelaram e Jehovah reagiu com crueldade extrema. Jehovah reportadamente poussin-amalekitesmatou 14.000 hebreus de uma vez por desobediência. Ele usava uma variedade de métodos de matança, tais como disseminar doenças, exatamente como anteriormente outros deuses tutelares haviam feito na Suméria.

Quando os exércitos hebreus alcançaram Canaã, Jehovah apresentou uma inclinação genuinamente psicopática. Para estabelecer os hebreus em sua nova terra natal, Jehovah ordenou que os exércitos hebreus embarcassem em uma campanha de genocídio para despopular toda a região em suas cidades e centros. Sob a nova liderança de um homem chamado Josué, a primeira cidade a cair no holocausto de Jehovah do cerco de sete anos foi Jericó. Segundo a Bíblia, o exército hebreu, numerando dezenas de milhares, matou todo mundo em Jericó exceto, ironicamente, uma prostituta porque ela tinha traído seu próprio povo ao ajudar dois espiões hebreus:


E eles destruíram completamente tudo que havia na cidade, homens e mulheres, jovens e velhos, e touros, carneiros e asnos pela espada – Josué 6:21

Depois que tudo foi realizado:

Fire of London - 1666

…eles queimaram a cidade com fogo, e tudo que estava lá; somente a prata, e o ouro, e os vasos de cobre e ferro, eles colocaram no tesouro da casa do Senhor. – JOSUÉ 6:24

A cidade seguinte foi Ai, uma cidade com uma população de 12.000 habitantes. Todos os cidadãos de Ai foram assassinados e a cidade foi totalmente queimada. Esta selvageria foi perpetrada cidade após cidade:

Assim Josué matou todo o país das montanhas, e do sul, e dos vales, e dos riachos e todos os seus reis: eles não deixaram que sobrasse ninguém, mas destruíram completamente tudo que respirava, como o Senhor Deus de Israel mandou – JOSUÉ 10:40


O genocídio foi justificado ao dizer que as vítimas eram todas perversas. Isto não pode ter sido a verdadeira razão porque crianças e animais também foram assassinados. Dificilmente é justo massacrar uma cidade inteira pelos crimes de uns poucos; nem é certo matar uma criança pelos crimes de seus pais. O crime real, segundo a Bíblia, era que os nativos da região Armenia22hamidiantinham se tornado desobedientes. Os hebreus mais obedientes foram portanto eleitos por Jehovah para dizimar os nativos e substitui-los.

Hoje existe algum debate sobre se a assimilação dos hebreus em Canaã foi genocida como retratada na Bíblia. Modernas escavações arqueológicas de alguns sítios de batalha nomeados na Bíblia [tais como Hazor, Lachish e Debir] tem revelado a evidência de violenta destruição durante o tempo de Josué. Outros sítios tem mostrado evidência menos conclusiva. Seja qual for o grau em que a história da Bíblia da conquista de Canaã seja verdadeira, isto nos conta algo muito importante sobre genocídio: O genocídio frequentemente é um instrumento para promover uma rápida mudança política ou social ao rapidamente substituir um grupo de pessoas por outro. Por esta razão, o genocídio tem emergido como um importante fenômeno histórico em ligação com muitos dos esforços das Sociedades Secretas em trazer uma rápida mudança política e social.


As pessoas que estão familiarizadas com os ensinamentos morais judaicos podem ficar surpresas com o comportamento brutal atribuído a Jehovah e aos hebreus. Os mais famosos Scumbag_god_slaverymandamentos judaicos morais são, com certeza, os Dez Mandamentos, que reportadamente foram dados a Moisés por Jehovah durante o caminho dos hebreus do Egito para a Terra Prometida. Depois da morte de Moisés, Jehovah e os exércitos de Israel claramente violaram de grande maneira os Mandamentos. ‘Não matarás’ foi transgredido quando os hebreus massacraram os habitantes de Canaã. Os hebreus ignoraram o mandamento ‘não roubarás’ quando roubaram as cidades em agonia de seus metais preciosos. Eles não foram melhor quanto ao mandamento ‘não cobiçarás a casa de seu vizinho… nem qualquer coisa que seja de seu vizinho’ quando eles cometeram genocídio para tirar a terra de seus vizinhos.

Legenda: Matou milhares de crianças egípcias para forçar o Faraó a libertar seu povo da escravidão [Êxodo 12:29-30] – Imediatamente a seguir instrui seu povo sobre como criar e manter seus próprios escravos [Êxodo 21:2-7; Levítico 25:44-46]


Este comportamento é intrigante porque muitos mandamentos bíblicos estabeleceram um decente código de conduta. Por exemplo, os hebreus eram admoestados a nunca cooperarem com o malfeitor dando falso testemunho. Um outro mandamento ressaltava a importância da responsabilidade individual diante da pressão do grupo ao afirmar: “Você não deve seguir o grupo em fazer o mal” A tolerância para com os externos foi feita lei com, Você não deve vexar um estranho ou oprimi-lo… “ Geralmente exigiam que os ladrões pagassem restituição a suas soldier1vítimas. Como podemos responder pela existência de tais mandamentos humanos diante de tal comportamento bárbaro?

Um outro aspecto intrigante da história bíblica de genocídio foi o comportamento das pessoas sendo massacradas. Segundo a Bíblia, somente uma cidade se rendeu. O resto escolheu lutar e foi massacrada. Quando confrontado com um superpoderoso exército hebreu, e talvez até mesmo um deus trovejante no céu, não é mais provável que as cidades cercadas se renderiam, ou ao menos oferecessem esvaziar Canaã pacificamente? A Bíblia apresenta uma explicação interessante de porque isto não aconteceu:

Não houve uma cidade que tenha feito paz com os filhos de Israel, salvo os Hivitas, os habitantes de Gibeon; todas as outras eles tomaram em batalha. Porque foi o Senhor que endureceu os corações deles, que eles fossem contra Israel em batalha, para que ele as pudesse destruir completamente, e eles não pudessem encontrar nenhum favor, mas que ele pudesse destruí-los… – JOSUÉ 11:19-20

maxresdefault

A passagem acima afirma de Jehovah tinha manipulado os povos vítimas de forma que as vítimas pudessem ser destruídas. Esta é uma admissão surpreendente e importante, porque ela implica em que Jehovah ou outros tutores dominavam outras cidades na região e usaram a influência deles para manipular as pessoas para combater Israel. Esta não teria sido a primeira vez que isto aconteceu.


* Nem todos os mandamentos do Velho Testamento eram humanos para os padrões de hoje. A liberdade de veneração não era tolerada. A escravidão era uma instituição aceita e os hebreus tinham permissão para venderem suas filhas em escravidão. A forma de punição ‘olho por olho; dente por dente’ nem sempre resulta em justiça.

lasharchon66

Legenda: Jeová é o Lorde Arconte, um tipo reptiliano de predador… um ser extraterrestre cujo reino é um sistema planetário independente, fora do nosso sistema solar. Ele não é um “ser evoluído, muito menos mais evoluído do que os humanos, mas um ser demente e alienado, com superpoderes que o tornam uma deidade aos nossos olhos. Gnósticos concluíram que Jeová infectou a humanidade com a crença de que ele é um deus criador, ou melhor “O Deus Criador”, mas o fato é que ele não cria coisa nenhuma.

Para ler o livro completo, clique no link abaixo:

Deuses do Éden – William Bramley.pdf


1297457281591_ORIGINAL

Minha opinião:

Não consigo entender como é que as pessoas podem ser contra a violência, serem até mesmo ativistas contra a violência e os abusos físicos e psicológicos, serem contra as guerras, e ainda assim, louvarem a um deus que é a expressão máxima do abuso, da manipulação, da violência e da guerra. Dissonância cognitiva? Ignorância? Cérebro lavado? Falta de discernimento? Acreditar que Jeová é Deus e que ele é o criador de tudo, é o mesmo que acreditar que Rambo (Sylvester Stallone) é Deus. Como pode haver justiça no extermínio de cidades inteiras sob a alegação de que seus habitantes eram pecadores ou perversos? Como pode haver justiça quando esse deus usa de maquiavelismo puro para manipular os habitantes das cidades e levá-los a enfrentar exércitos contra os quais não tinham a menor chance? Como pode haver justiça quando, depois de totalmente exterminadas as populações das cidades, todos os seus bens foram saqueados pelos “escolhidos de deus”? Como pode haver justiça se depois de exterminada a população e saqueados os seus bens e valores, ateou-se fogo às cidades para que nada restasse de pé, nem mesmo a História dos que ali viviam? Isso é religião? Isso é deus? Que Deus? Esses são os valores que nos são transmitidos através da religião? Se você é a favor desse deus, se você louva um deus assim, se você defende que ao levar a cabo tais ações, deus tinha um propósito, que deus estava exercendo sua justa justiça, você é tão criminoso quanto, ou no mínimo, é um criminoso em potencial. Eduardo Scapelatto

A TALE READ AS IT SHOULD BE

Genocide as a tool for social and political change

Excerpt from the book “Gods of Eden – William Bramley

Early human writers often portrayed mankind’s Custodial “gods” as bloodthirsty creatures prone to excessive violence. Sadly, those lamentable qualities did not improve with Jehovah. During the trek from Egypt to the Promised Land, Jehovah demanded unflagging obedience from the Hebrews. Many humans rebelled and Jehovah reacted with extreme cruelty. Jehovah poussin-amalekitesreportedly killed up to 14,000 Hebrews at a time for disobedience. He used a variety of killing methods, such as spreading diseases, just as other Custodial “gods” had done earlier in Sumeria.

When the Hebrew armies reached Canaan, Jehovah displayed a genuinely psychopathic bent. To establish the Hebrews in their new homeland, Jehovah ordered the Hebrew armies to embark on a campaign of genocide to depopulate all of the region’s existing cities and towns. Under the new leadership of a man named Joshua, the first city to fall in Jehovah’s seven-year holocaust was Jericho. According to the Bible, the Hebrew army, numbering in the tens of thousands, slaughtered everyone in Jericho except, ironically, a prostitute because she had earlier betrayed her own people by helping two Hebrew spies:


And they utterly destroyed all that was in the city, both man and woman, young and old, and ox, and sheep, and ass, with the edge of the sword. JOSHUA 6:21

After that was accomplished:

Fire of London - 1666… they burnt the city with fire, and all that was therein: only the silver, and the gold, and the vessels of brass and of iron, they put into the treasury of the house of the Lord. JOSHUA 6:24

The next target was Ai, a city with a population of 12,000 inhabitants. All of the citizens of Ai were butchered and the city was burned to the ground. This savagery was perpetrated city after city:

So Joshua killed all in the country of the hills, and of the south, and of the valleys, and of the springs, and all their kings: he left none remaining, but utterly destroyed all that breathed, as the Lord God of Israel commanded. JOSHUA 10:40


The genocide was justified by saying that the victims were all wicked. This could not havebeen the true reason because children and animals were also slaughtered. It is hardly fair to massacre an entire city for the crimes of a few; neither is it right to murder a child for the Armenia22hamidiancrimes of its parents. The real crime, according to the Bible, was that the natives of the region had become disobedient. The more obedient Hebrews were therefore elected by Jehovah to wipe out the natives and replace them.

There is some debate today about whether the Hebrew assimilation into Canaan was as genocidal as portrayed in the Bible. Modern archaeological digs into some of the battle sites named in the Bible (such as Hazor, Lachish and Debir) have revealed evidence of violent destruction during the time of Joshua. Other sites have yielded less conclusive evidence. Many people understandably prefer to play down the Biblical bloodshed as much as possible. To whatever degree the Biblical story of the conquest of Canaan is true, it does tell us something very important about genocide: Genocide is often a tool for promoting rapid political or social change by quickly replacing one group of people with another. For this reason, genocide has emerged as a significant historical phenomenon in connection with many Brotherhood efforts at bringing about rapid political and social change.


People who are familiar with Jewish moral teachings may be surprised at the brutal behavior ascribed to Jehovah and the Hebrews. The most famous of the Jewish moral teachings are, of Scumbag_god_slaverycourse, the Ten Commandments, which were reportedly given to Moses by Jehovah during the Hebrews’ trek to the Promised Land. After Moses’ death, Jehovah and the armies of Israel clearly violated the Commandments in a big way. Thou shalt not kill was transgressed when the Hebrews massacred the inhabitants of Canaan. The Hebrews ignored the commandment Thou shalt not steal when they robbed the dying cities of their precious metals. They were no better about adhering to the commandment Thou shalt not covet thy neighbor’s house … nor any thing that is thy neighbor’s when they committed genocide to take away the land of their neighbors.


This behavior is puzzling because many Biblical commandments do establish a decent code of conduct. For example, the Hebrews were admonished never to cooperate with a wrongdoer by giving false testimony. Another commandment stressed the importance of individual responsibility in the face of group pressure by stating, “You shall not go along with a group in doing evil.” Tolerance for outsiders was made law with, “You shall not vex a stranger, nor oppress him… .” Thieves were usually required to pay restitution to their victims. How do we soldier1account for the existence of such humane commandments in the face of such barbaric behavior?

Another puzzling aspect of the Biblical genocide story was the behavior of the people being slaughtered. According to the Bible, only one city surrendered. The rest chose to fight and be butchered. When confronted with an overpowering Hebrew army, and perhaps even a thundering “God” in the sky, is it not likely that more besieged cities would surrender, or at least offer to vacate Canaan peaceably? The Bible, only one city surrendered. The rest chose to fight and be butchered. When confronted with an overpowering Hebrew army, and perhaps even a thundering “God” in the sky, is it not likely that more besieged cities would surrender, or at least offer to vacate Canaan peaceably? The Bible presents an interesting explanation of why that did not happen:

There was not a city that made peace with the children of Israel, save the Hi-vites, the inhabitants of Gib-eon, all others they took in battle. For it was the Lord who hardened their hearts, that they would go against Israel in battle, that he might destroy them utterly, and that they might find no favor, but that he might destroy them…. JOSHUA 11:19-20

maxresdefault

The above passage states that Jehovah had manipulated the victim peoples into fighting the Hebrews so that the victims could be destroyed. This is a stunning and important admission, for it would imply that Jehovah or other Custodians dominated other cities in the region and used their influence to manipulate people into fighting the Hebrews. This would not have been the first time it happened. To be continued…


* Not all Old Testament commandments were humane by today’s standards. Freedom of worship was not tolerated. Slavery was an accepted institution and Hebrew men were allowed to sell their daughters into slavery. The eye-for-an-eye, tooth-for-a-tooth form of punishment does not always result in justice.

lasharchon66

To read the entire book, click in the link below

Gods of Eden – William Bramley.pdf


1297457281591_ORIGINALMy opinion:

I can not understand how people can be against violence, be even activists against violence and physical and psychological abuse, are against the war, and yet praise to a god who is the ultimate expression of abuse, manipulation, violence and war. Cognitive dissonance? Ignorance? Brain washed? Lack of discernment? Believing that Jehovah is God and that he is the creator of all, is the same as believing that Rambo (Sylvester Stallone) is a God. How can there be justice in entire cities exterminated on the grounds that its inhabitants were sinful or evil? How can there be justice when such a god uses pure Machiavellianism to manipulate the inhabitants of the cities and get them to face armies against which they had no chance? How can there be justice when, after fully exterminated the populations of cities, all his possessions were looted by the “chosen of god”? How can there be justice if after exterminated the population and looted their property and assets, fire-ignited the cities so that nothing was left standing, not even the history of those who lived there? Is this religion? Is this God? What God? Are these the values that are transmitted to us through religion? If you are in favor of such a god, if you praise a god so if you defend that to carry out such actions, He had a purpose, that He was exercising his fair justice, you are as guilty as, or at least is a potential criminal. Eduardo Scapelatto

 

UM DIA PARA FICAR NA HISTÓRIA

A GRANDE FALÁCIA

Comentário postado por um amigo de nome João Batista, mas que utiliza o Nick “Paleoseti”, com o qual eu concordo totalmente. 

paleoseti


image-1O paraíso dos ratos

Na década de 80, o povo foi iludido com a falácia Diretas Já e iniciou-se o processo de colocar o Brasil sobre uma rataria (agora vão expulsar alguns ratos e deixar a porta aberta e novos ratos virão). Transformaram o país em um cabide de emprego para os protetores dos ratos. Pesquise e descubra como era o Brasil antes e agora: quantos ministérios (eram 12), quantas secretarias, quantas agencias “reguladoras”, quantas ONGs financiadas, quantos movimentos sociais financiados, quantas emancipações estaduais, quantos partidos políticos, etc…, todos mamando nas tetas do Estado. Agora vai ser difícil acabar com essa farra. Se aparecer alguém para acabar ou reduzir drasticamente com essas boquinhas, o Brasil corre o risco de entrar em uma guerra civil.


12002565_980429251978984_6495191179521668977_oE começa o espetáculo!

Hoje as cortinas serão abertas para a apresentação do primeiro ato (pela segunda vez) da maior peça teatral da dita “democracia” brasileira. Os artistas e o nome da peça todos conhecem:

***

CORRUPTOS JULGAM E CONDENAM CORRUPTOS


02-Pyramids-votePeixe podre!

Durante e depois da apresentação da peça, os incautos comemorarão e acreditarão que teremos um país mais justo e a mídia (legislando em causa própria), começará a vender o seu PEIXE PODRE: A nossa “democracia” está mais amadurecida e todos deverão exercer sua cidadania, escolhendo os candidatos certos na hora de votar na próxima eleição (como se isso fosse possível). E assim, um novo ciclo de PÃO e CIRCO será reiniciado. Por isso não vejo solução (por meios legais), sem ruptura, sem medidas amargas (para muitos), para termos um país mais justo.


Urna-eletronica