Arquivo da categoria: Despertar

UMA CULTURA CENTENÁRIA

HÁ MUITO O QUE MELHORAR

O cidadão sofre com o peso do governo sobre as suas costas,

trabalha mais da metade do ano (52%) só para pagar impostos,

é refém da indústria das multas de trânsito,

trabalha o tempo todo sob o terrorismo de fiscais e achacadores de todo tipo (Fazenda estadual, prefeitura, trabalho, meio ambiente, IPEM, INMETRO, ANVISA)…

paga pouco aos seus funcionários por conta de um custo altíssimo de encargos,

e para completar, o estado exerce um quase total controle sobre a vida do cidadão. 


Total controle sobre o cidadão

No Brasil se chegou ao extremo de que cada venda feita em um supermercado ou em outro estabelecimento qualquer, primeiro tem que ser transmitida ao servidor da fazenda estadual (SEFAZ) em forma de arquivo eletrônico (xml) para receber aprovação. E sim, a venda pode ser recusada, se por infelicidade do comerciante, um único produto na lista estiver com um código fiscal informado erroneamente, tipo CST=20 quando deveria ser CST=60. Se tudo estiver correto o servidor da SEFAZ aprova a venda e o cupom é encerrado no caixa, mas se algo estiver errado a venda é recusada. Agora imagine num caixa de supermercado em que acabou de se passar pelo aplicativo de vendas um carrinho cheio de produtos (quase 100) e por causa de um único produto que contém um erro de cadastro no que tange à sua classificação fiscal, a venda é recusada e o cupom cancelado. A funcionária do caixa fica com uma tremenda ‘cara de tacho’ e o cliente fica ‘puto da vida’ e então inicia-se a venda toda novamente. Isto é Brasil. Isto é uma estrutura de total controle que foi gradualmente implementada com o objetivo de conduzir o país ao mesmo nível de total controle do cidadão como já existe atualmente em Cuba e na Venezuela, só que por lá as coisas não são tão eficientes e modernas assim. Aqui no Brasil, os criminosos comunistas chegaram ao ‘supra-sumo’ da eficiência, implementando um super computador de nome ‘T-Rex’ e um software de nome ‘Harpia’ que juntos, tem a capacidade de controlar todos os contribuintes do Brasil, Estados Unidos e Alemanha juntos. Uma vez implementada essa estrutura, chegaria um momento em que todo cidadão seria obrigado a informar seu CPF sempre e em cada compra e somente poderia comprar o que o ‘estado’ lhe permitisse. Se em sua lista de compras houvesse um ou mais itens ‘não permitidos’ sua compra seria recusada. Se você acha que estou exagerando, pesquise a respeito da NFC-e e o novo layout 4.0 – Está nos planos para ser implementado em breve, o cruzamento dos dados de cada produto vendido, onde será verificado se o código (GTIN) informado corresponde ao NCM (numeração comum do mercosul) e à classificação fiscal informada. Isso será feito item a item, on-line e em tempo real, a cada venda feita, em cada estabelecimento comercial, e se os dados informados em uma venda não estiverem 100% corretos, a venda é recusada. O software Harpia é capaz de ‘aprender’ o comportamento de cada contribuinte e assim detectar irregularidades. Daí para se chegar ao ponto em que cada CPF só poderá comprar produtos de determinados grupos de NCM, é um passo.  Não se pode chamar isso de livre mercado, nem tampouco de livre comércio, muito menos de liberdade financeira. É simplesmente absurdo que isso esteja acontecendo e que um a um, todos os estados da federação estejam adotando esse tipo de sistema que começou em São Paulo com a Nota Paulista e foi se espalhando pelos demais estados com o nome ligeiramente diferente, Nota Fiscal ao Consumidor eletrônica (NFC-e). É muita interferência do estado na vida do cidadão e do empresário e como isso vem sendo adotado gradualmente, ninguém se dá conta, todos aceitam, e vão se tornando mais e mais ‘escravos do estado’. E para completar a interferência, o estado brasileiro sempre fez isso, coloca o cidadão contra o empresário/comerciante fazendo o cidadão de fiscal para que, com seu próprio celular, possa verificar se a NF emitida em seu nome é legítima. Como são otários! Enquanto o cidadão otário e metido a fiscal pensa que está denunciando o comerciante, o estado está recolhendo mais e mais informações acerca do cidadão, informações essas que já estão sendo cruzadas em tempo real por um super computador de nome ‘T-Rex’ com um sistema de cruzamento de dados chamado ‘Hárpia’, com capacidade de cruzar informações e rastrear cada movimento de cada CPF ou CNPJ.


Livre mercado e estado de direito

Enquanto que no Brasil o estado impõe ao empresário a utilização de softwares fiscais credenciados e homologados e impõe aos programadores (software-houses) regras e normas fiscais quase impossíveis de se alcançar para se obter a certificação ou homologação, no Paraguai é o comerciante ou empresário que escolhe qual software quer utilizar para a gestão de seu negócio, incluso para as vendas em frente de caixa, podendo inclusive o software ser de origem estrangeira. O software não precisa ser homologado nem credenciado, precisa apenas preencher alguns requisitos simples, como por exemplo, permitir auditoria. O sistema tributário é bem simples. Enquanto que no Brasil, o manual do contribuinte pode ter mais de quatrocentas páginas, devido ao imenso e absurdo nível de detalhamento técnico para classificação fiscal das mercadorias comercializadas, no Paraguai o manual do contribuinte tem apenas duas páginas. Isso mesmo, duas páginas. Se você compra ou vende qualquer tipo de produto ou serviço, você deve recolher o IVA (Imposto sobre Valor Agregado), que normalmente é de 10%, embora haja vários produtos cujo IVA é de 5% e há situações em que os produtos ou serviços são isentos. Simples, não? E o comerciante ou empresário deve prestar informações ao fisco mensalmente, bem como quitar os impostos devidos, ao passo que no Brasil a informação sobre cada produto que está sendo vendido tem que ser prestada no momento da venda e on-line, e como se isso não bastasse, todo mês o empresário comerciante deve enviar ao seu contabilista (para cotejo, provavelmente) os arquivos xml que JÁ FORAM VERIFICADOS pelo servidor da SEFAZ, para que sejam calculados os impostos devidos e as quantias a pagar costumam ser assombrosas: Já presenciei pequenos comerciantes, cujo imposto em somente uma de suas instâncias (federal) somava mais do que a folha de pagamento de todos os seus funcionários. É ou não é desanimador? Já aqui, no Paraguai, apesar de todas as facilidades, a informalidade ainda é muito presente e, pasmem, não há por aqui aquela neura do ‘rapa’, que são fiscais da prefeitura acompanhados de agentes truculentos e policiais idem, que vão aos locais onde há grande número de ambulantes e camelôs para confiscarem-lhes as mercadorias. Isso acontece no Brasil, porque no Brasil é proibido trabalhar, seja para mera sobrevivência, seja para crescer na vida, seja para gerar empregos e levar dignidade aos demais. É por isso que existe toda uma estrutura contra quem trabalha: Fiscais da prefeitura que entram no seu estabelecimento lhe ameaçando, fiscais da fazenda estadual, fiscais do trabalho, fiscais do IPEM (Instituto de Pesos e Medidas), estes últimos já entram em seu estabelecimento com um caderno e o entregam ao comerciante e dizem: “coloca R$ 200,00 aí dentro e vamos embora sem olhar nada”, além de INMETRO, ANVISA, vigilância sanitária, bombeiros, e por aí vai. Todos vem ao seu estabelecimento investidos de “otoridade” (achacadores) para lhe tomar dinheiro. Não existe nada mais desanimador. Curiosamente, essa mentalidade de “é proibido trabalhar” ou ainda, essa mentalidade de perseguir acintosamente quem quer trabalhar, crescer e gerar empregos, é muito antiga no Brasil. Se você fizer uma pesquisa honesta, verá que essa mentalidade de exploração e desestímulo ao trabalho existe desde a época do Império, desde antes da independência do Brasil. São mais de 200 anos de uma mentalidade retrógrada, sempre voltada à exploração e ao escravismo, e que ganhou ímpeto quando um bando de criminosos assumiu o controle do país e desde então o vem destruindo sistematicamente, e para seus próprios interesses. Houve várias fases nesse processo que dura até os dias de hoje, e cada fase teve um nome: República Oligarca, República Constitucional, Estado Novo, República Populista,  Ditadura Militar e por fim,  Nova República. Ou seja, os criminosos que tomaram o poder e depuseram o Império, são os mesmo até hoje e o nome que deram à Republica de então não nega o que são: Oligarcas. E depois, você acha que o novo presidente vai dar um jeito nisso? São décadas de uma mentalidade comunista e que vem estruturando o país para o total controle, ou seja para um comunismo total, igual ao da Coreia do Norte, e fico aqui pensando: coitado do Bolsonaro quando começar a mexer nesse vespeiro. Esses criminosos formam uma grande equipe e juntos já destruíram vários países da America do Sul e Central: Cuba, Nicarágua, Venezuela, Equador, Bolívia, Argentina e Brasil e certamente não vão largar o osso assim facilmente. Vão dar ainda muito trabalho e muitas ações terroristas estão por vir porque o que essa gente mais odeia é a liberdade e a prosperidade dos povos. Estude um pouco sobre as verdadeiras causas da guerra do Paraguai (Triple Alianza) e você começará a entender o porque das grandes dificuldades pelas quais o Brasil passa e sempre passou.


Atualização, dia 05 de janeiro de 2019

Antes de escrever este artigo, eu tinha gravado uns áudios para enviar a um amigo no Brasil. Depois e verifiquei que, ouvindo os áudios, eles descrevem certas situações de forma tão clara, tão didática, que resolvi transformá-los em vídeos. Bom, não dá pra transformar áudios em vídeos, mas dá para fazer um slide-show. Foi o que eu fiz. Então, caro leitor, caso queira ouvir o conteúdo dos vídeos abaixo, retire as crianças da sala, porque, quando estou falando, não sou tão educado e comportado como sou quando escrevo e os palavrões se tornam as vírgulas e os pontos das minhas expressões. Assista-os na sequência para não prejudicar o entendimento e divirta-se!





.

 

Anúncios

O PARAGUAI QUE VOCÊ NÃO CONHECE

UM BOM LUGAR PARA NEGÓCIOS

Se você já considerou a possibilidade de montar seu negócio em outro país, que tal conhecer o Paraguai? Empreender no Paraguai? Prosperar no Paraguai? 

SAIBA QUE:

No Paraguai, a carga tributária total que pesa sobre o cidadão, é de apenas 7%.

Você pode pagar melhor aos seus funcionários e ainda assim o custo funcionário é bem menor.

As leis são claras e de fácil entendimento e o sistema tributário é bem simples.

Existe livre mercado, o país está crescendo graças à políticas de crescimento bem definidas e em pouco tempo se obtém o retorno dos investimentos.

Baixo índice de violência e criminalidade.

Há oportunidades de negócios em todos os campos, comércio, indústria e serviços.


Esto es Paraguay!

Sistema tributário mais simples, custos trabalhistas menores, pouca burocracia e ambiente favorável para os negócios levam empreendedores brasileiros a investir no país vizinho. Os entraves nacionais, que sufocam empresários, empreendedores e trabalhadores, estão provocando um êxodo para o Paraguai. Nos últimos cinco anos, os brasileiros abriram sete de cada 10 indústrias do país vizinho.  Saiba mais…

 


Ranking da liberdade econômica

Em matéria de liberdade econômica ou livre mercado, o Brasil ocupa a posição 153 enquanto que o Paraguai ocupa a posição 82, numa escala que vai de 1 a 180 onde 1=Totalmente Livre e 180=Zero Liberdade. Os dados podem ser verificados diretamente no site ‘heritage.org’ e, de acordo com o site os países do mundo estão categorizados em 5 divisões, que podem ser vistas na figura à esquerda. O Brasil se encontra na categoria ‘4-Economia majoritariamente reprimida‘ enquanto que o Paraguai encontra-se na categoria ‘3-Economia moderadamente livre‘. Nessa classificação são levados em conta vários fatores importantes como: Estado de direito, Peso do governo, Eficiência regulatória e Abertura de mercados. No estado de direito são analisados quesitos como, direito e garantia à propriedade, integridade (honestidade) do governo e eficiência da justiça. No item peso do governo são analisados os gastos do governo, a carga tributária e a saúde fiscal. No item eficiência regulatória (ou clareza das leis) são analisados as liberdades para se fazer negócios, constituir empresas, relações trabalhistas, e liberdades monetárias. No item Mercados abertos são analisados o livre mercado, o livre investimento e facilidades de financiamento. Para que se tenha uma ideia do que significam esses números e categorias, vamos fazer algumas colocações. Na posição 1 dessa escala encontra-se Hong Kong, o país onde se tem total liberdade econômica, livre mercado, total garantia de direitos civis e direito à propriedade, etc., etc., etc. Na posição oposta, isto é, na posição 180, temos a Coreia do Norte e para que fique bem claro a posição do Brasil, na posição 179 temos a Venezuela e na posição 178 temos Cuba. Esses países estão na quinta categoria, economia 100% reprimida, onde não há livre mercado, não existe direito à propriedade privada, e são proibidos a livre iniciativa e o empreendedorismo. Encontram-se nessa categoria também,  a Bolívia e o Equador. A quinta categoria começa na posição 160 e o Brasil está a apenas 7 posições de distância, então conclui-se que faltava bem pouco, aliás muito pouco mesmo, para que o Brasil chegasse a mesma categoria onde se encontra hoje a Venezuela, bem como Cuba e Coreia do Norte. Todo um trabalho de aparelhamento do estado e das instituições estava sendo feito para isso. A começar pelas Receita Federal e as Fazendas Estaduais que foram aparelhadas com o que há de mais moderno e eficiente em termos de tecnologia, com o objetivo de assumir o total controle da vida das empresas e do cidadão, como você poderá ler em um parágrafo mais adiante. Se você não é um alienado esquerdista, acho que sabe muito bem o que isso quer dizer. Leia mais sobre isso no artigo do link a seguir.

https://eduardolbm.wordpress.com/2019/02/01/uma-cultura-centenaria/


Moeda e inflação

Agora vamos falar da moeda do Paraguai, isto é, do Guarani. O Guarani foi criado em 1943 e as primeiras cédulas começaram a circular em 1944 e desde então, nunca se cortou um único zero da moeda (já se passaram 75 anos). E mesmo por ocasião de sua criação, em substituição ao Peso Paraguaio, não houve corte de zeros, apenas uma mudança de nome com o objetivo de homenagear a cultura Guarani. Obviamente, ao longo de todos esses anos, houve uma inflação acumulada e atualmente os valores são todos expressados em múltiplos de mil. Uma passagem de ônibus coletivo em Asunción, custa 2.300 (dois mil e trezentos) Guaraníes. Já custou 2.200, já subiu para 2.400 e há poucos dias seu preço baixou para 2.300, uma característica de países onde existe de fato o livre mercado e a liberdade financeira e econômica: os preços acompanham o câmbio e sobem e descem, ao passo que no Brasil, os preços só sobem. Percebe-se também que há uma grande estabilidade econômica no Paraguai, a inflação anual varia de 3 a 4% e o crescimento econômico na última década tem alcançado índices surpreendentes, acima de 6% em alguns anos. Já no Brasil, a situação é bem diferente. Um ano antes da criação do Guarani, em 1942, já se precisou cortar três zeros da moeda brasileira, que na época era o Real (pronunciava-se Réis) e passou a se chamar Cruzeiro. Em 1967, já se fez necessário mais um corte de três zeros (Novo Cruzeiro). Em 1986 mais três zeros foram cortados e o Cruzeiro passou a se Chamar Cruzado. Em 1989, apenas três anos depois, mais três zeros foram cortados e passou a se chamar Novo Cruzado. Quatro anos depois, em 1993, mais uma vez se corta três zeros da moeda e passa a se chamar Cruzeiro Real. A inflação era tão grande e descontrolada nesses tempos, que, apenas um ano depois, com a criação do Real, foi necessário fazer uma conversão de 2.750 para 1, ou seja cada 2.750 cruzeiros passaram a valer 1 Real. Agora imagine se formos colocar de volta ao Real, todos os zeros perdidos: 1 Real valeria 2.750.000.000.000.000.000 Réis. (dois quintilhões e setecentos e cinquenta quatrilhões). Incrível, não e mesmo? E viva o Brasil.


Oportunidades de negócios (1)

Pontos de parada, vinculados a postos de combustíveis ou não, que comportem até dez ônibus.

Há muitíssimas oportunidades de negócios aqui no Paraguai. Falta ainda muita infraestrutura e o Paraguai hoje é um canteiro de obras, há obras por toda a parte, são edifícios sendo construídos,  estradas sendo construídas e/ou duplicadas, e isso cria muitas oportunidades que podem ser convenientemente aproveitadas para negócios de curto, médio e de longo prazo. Vou me focar em apenas três coisas, que são as que percebi mais diretamente e no caso das duas primeiras, senti muito a sua falta no pouco tempo que estou aqui. Falta, nas estradas, pontos de parada para ônibus. Há muitos postos de combustíveis, alguns com lanchonetes, restaurantes ou lojas de conveniência agregados, mas não há pontos com a devida estrutura para os que viajam de ônibus. Se você viaja muito pelo Brasil, já deve conhecer a rede Graal. É algo assim que falta por aqui, mas não com a mesma filosofia praticada no Brasil. Sim, porque no Brasil não se explora o negócio de viagens: explora-se o viajante com a prática de preços mais que abusivos, praticamente extorsivos. Também não se explora o Turismo, explora-se o turista. Devido à falta de locais apropriados, os motoristas das diversas linhas de ônibus, internacionais inclusive, tem que recorrer aos vendedores ambulantes para atender aos passageiros em viagens mais longas. Os motoristas param os ônibus em locais estratégicos, e então entra no ônibus uma vendedora de ‘Chipas’ que é uma especie de mini pão feito a base de farinha de milho, mandioca e queijo. Junto com a vendedora, quase sempre vem também um menino servindo o tradicional ‘cocido’ que para nós no Brasil é o chá mate misturado com leite. Se for numa hora mais quente do dia, esse mesmo menino (ou menina) serve algum tipo de suco gelado e oferece também refrigerantes e água mineral. É uma forma muito precária de resolver as coisas, mas é o que se tem por enquanto. Quem sair na frente e montar locais com estrutura para pelo menos dez ônibus e firmar convênios com as empresas e os motoristas, além de contribuir para a melhora da infra estrutura do país, vai ganhar muito dinheiro. Quando vim para Asunción pela empresa Catarinense partindo de Curitiba, questionei o motorista ainda em Cascavel, sobre onde iria parar para um lanche ou café da manhã. Ele me respondeu que depois que cruza a fronteira, não há nenhum lugar adequado para uma parada de ônibus e que ele ia fazer uma parada no Km 24 para entrar uma ‘Chipeira’ no ônibus e mais tarde pararia em um restaurante em Coronel Oviedo para almoço, que não era exatamente um local adequado mas foi o melhor que a empresa conseguiu encontrar. Quando parou para almoço, percebi que o lugar não tinha a menor condição para esse tipo de serviço, mal comportava dois ônibus estacionados em sua frente, mas a comida era boa e o atendimento rápido. Depois disso já viajei algumas vezes no eixo Asunción-Ciudad del Este que é o movimentadíssimo e as dificuldades dos motoristas são as mesmas: não há local com estrutura onde se possa estacionar um ônibus para que desçam de uma só vez 30 ou mais passageiros de cada ônibus e sejam atendidos rapidamente.


 Oportunidade de negócios (2)

Supermercados de porte médio com até 4 caixas

Pelo menos onde eu me encontro atualmente, em Asunción, há uma característica interessante: não há quase supermercados de médio porte, aqueles supermercados de bairro, com duas, três ou quatro caixas. Ou são gigantes, com 12, 18 e até 24 caixas, ou são pequenas despensas, como são chamadas aqui, mais ou menos parecidas com as antigas ‘vendinhas’ que haviam no Brasil nos anos 60 e 70, só que ainda mais precárias, menos sortidas e, obviamente, com preços mais caros. Há alguns “auto-services” que são um pouco mais sortidos e estruturados que as despensas, mas ainda são precários quanto ao atendimento, já que nem mesmo tem caixas para agilizar o processo de vendas. Os clientes podem escolher as mercadorias mas tem que passar no balcão para serem atendidos pelo dono ou dona e o atendimento é igual nas vendas de antigamente: um de cada vez e muito demorado. Em geral, as despensas e auto services são familiares, são uma extensão da própria casa do comerciante e há muito pouco ou nenhum profissionalismo. São muito mal equipados, alguns ainda usam balanças antigas e de ponteiro, não costumam ter nenhuma tecnologia agregada ao negócio, no máximo uma calculadora para somar a compra do cliente. São também muito resistentes quanto à modernização e profissionalização de seus negócios. Diante desse quadro, algumas empresas se adiantaram e começaram a instalar em vários pontos de Asunción e cidades próximas (Fernando de La Mora, San Lorenzo), pequenos mercados com o conceito Mini Market, ou seja, estabelecimentos com dois, três ou quatro caixas, layout moderno, gôndolas bem distribuídas e bem sortidas, loja bem sinalizada, açougue, verduras e padaria, bem ao tipo dos supermercados de bairro, tão comuns na região onde mais trabalhei, Paranaguá, Antonina, Morretes, Matinhos, Pontal do Paraná e Guaratuba, todas cidades do Litoral do Paraná. Três redes são pioneiras aqui, conforme pode ser visto no artigo do site i3. Cada uma dessas redes começou com apenas uma loja e hoje já tem várias lojas espalhadas por Asunción, entretanto, ainda há muitos locais mal servidos e que comportam muito bem mais lojas, inclusive de outras origens, o que se converte em uma  ótima oportunidade de negócios para mercadistas brasileiros que já tem grande experiência no mercado brasileiro mas por viverem sempre atolados em boletos e dívidas, não conseguem sequer manter uma única loja com as finanças saudáveis, devido ao custo governo e ao custo funcionário, que são extremamente pesados no Brasil. Se você montar uma primeira loja bem montada no Paraguai, em pouco tempo terá a segunda, depois a terceira… há ainda um grande mercado mal explorado por aqui e uma economia que está crescendo, enquanto que a economia no Brasil está quase entrando em colapso e um grande número de empresas estão fechando as portas. (Sei que o otimismo e a esperança voltaram reinar no Brasil, mas há ainda um grande caminho a percorrer) 


Oportunidade de negócios (3)

Segurança privada

Aqui no Paraguai, TODO cidadão pode comprar armas, dentro de regras claras, é claro, e por isso mesmo há um grande número de cidadãos que andam armados. Há inclusive lojas que vendem armas, abertas ao público, como havia no Brasil, nos anos 70 (em plena ditadura militar, pasmem). Embora a criminalidade e a violência no Paraguai sejam bem menores que no Brasil, há segurança privada em quase todas as lojas e locais de atendimento ao público e TODOS andam armados e não é com ‘revolvinho 38’ e sim com armas de grosso calibre e ostensivamente. Como aqui não existe a política do ‘coitadismo’ e a dos ‘direitos dos manos’ implementada pela esquerda no Brasil, a polícia aqui é bem armada e bem equipada e quando entra em ação, é pra valer, não é pra fazer carinho em bandido e nem jogar flores. Sabe quantos homicídios por 100mil pessoas por ano acontecem aqui? Apenas 7 (sete) contra 32 do Brasil. Isso porque a estatística inclui regiões de fronteira onde agem grupos terroristas do crime organizado brasileiro (CV e PCC e MST [O Brasil, ainda por cima, é exportador de criminalidade]), mas se eliminarmos isso das estatísticas o número de homicídios por 100mil pessoas por ano cai para menos que 4 (quatro) contra 32 do Brasil. Então a violência aqui é cerca de 1/8 (um oitavo) da do Brasil. Aqui bandido não se mete a besta, e pode-se andar tranquilamente nas ruas as 10 da noite, a meia noite, as duas da manhã. Sem medo e sem neuras. A polícia é muito presente e dificilmente você percorre mais que três quadras sem encontrar um ou dois policiais em posição de atenção, ou pelo menos uma viatura fazendo a ronda. Sobre a questão do armamento ou desarmamento, nem vou comentar. Leia o artigo sobre ‘porte de armas no Paraguai‘. É bastante esclarecedor. E estarrecedor também.


Tire suas dúvidas

Vou encerrar o artigo por aqui, mas estou aberto à sugestões e disponível para responder perguntas. Abaixo há um número de telefone com WhatsApp e um endereço de e-mail para contato. Então, se você tem interesse em investir no Paraguai, e deseja mais informações, esteja à vontade para solicitá-las. Como eu já estou vivendo no Paraguai, posso fornecer algumas informações que normalmente são difíceis de se obter quando se está fora daqui, até porque a internet é muito seletiva em suas pesquisas, graças ao Marco Civil Brasileiro. Eu mesmo tive muita dificuldade em conseguir informações precisas sobre o Paraguai enquanto ainda estava no Brasil. E isso acabou me custando perda de tempo e dinheiro, porque só se consegue saber certas coisas estando aqui, ‘in loco’, para depois descobrir que não era necessário estar aqui para dar início a certos procedimentos e trâmites, como por exemplo, a radicação temporária. Por isso, me coloco à disposição para ajudar e esclarecer dúvidas a todo cidadão brasileiro que tenha interesse em vir residir e investir no Paraguai.


Telefone:  +595 991 247500   –   e-Mail: vanguard.lbm@gmail.com


 

LA MUERTE DE LAS DESPENSAS Y ALMACENES

¿Que está faltando?

Aunque tienen muchos puntos positivos, incluso algunos que nos remiten a nuestros más tiernos recuerdos de infancia, los almacenes, despensas y autoservices tienen también muchos puntos negativos y es justamente estos últimos que los llevarán a una desaparición muy breve. El principal punto negativo es la falta de profesionalización y como consecuencia de la falta de éste, otros puntos negativos se vuelven evidentes.


Hay que profesionalizarse

Las despensas, almacenes y autoservices están condenados a morir. A pesar de ser una tradición en Paraguay, a pesar de haber movimientos y campañas para mantenerlos vivos, aún así, esas formas de comercio están a punto de desaparecer. Los Grandes supermercados no son exactamente la amenaza para este tipo de negocio, sino los Mini Markets. ¿Es porque? Los Mini Markets, a pesar de no tener una atención personalizada y calurosa como en los comercios de naturaleza familiar, están mejor estructurados y siguen el modelo de los grandes supermercados, sólo que a pequeña escala. Mientras que los grandes supermercados suelen tener doce, dieciocho y hasta veinticuatro cajas (o más), los Mini Markets tienen como máximo cuatro o cinco cajas. Siempre cuentan con carnicería, panaderia y verdulería  y su espacio físico es menor e internamente están bien organizados y las mercancías están bien distribuidas y posicionadas de tal forma que el cliente que entra para comprar sólo un producto o dos, acaba siempre recordando comprar más algunas cosas y, al final, sale con al menos media docena de productos.  Hay un personal para atender al cliente en caso de que el mismo tenga alguna dificultad en encontrar algún producto y siempre hay empleados en las cajas para completar la compra de forma mucho más ágil que en los establecimientos familiares y siempre proveen el ticket (factura legal) que para muchas personas actualmente es importante, ya que permite la comprobación de gastos a efectos de impuesto sobre la renta personal.


Si no, va a morir

A medio y largo plazo, la diseminación de establecimientos con el concepto de Mini Market va a llevar a suceder en Paraguay lo mismo que ocurrió en Brasil: la muerte de los comercios de naturaleza familiar. En Brasil, en muchas regiones, ya no existen las ‘vendinhas’, ‘empórios’ y ‘armazéns’. Fueron engullidos por los supermercados. Sólo para esclarecer, supermercados en Brasil, son los Mini Markets del Paraguay, son establecimientos con un máximo de 6 cajas. Ya lo que son llamados de Supermercados en Paraguay, en Brasil son llamados HiperMercados, caso del Condor, Big, Carrefour, etc. Las actuales políticas gubernamentales orientadas al crecimiento de la economía en el país, acaban por crear facilidades y atraer a muchos empresarios extranjeros con gran experiencia en el sector de los pequeños mercados, y que al llegar aquí, se enfrentan a ese vacío, o sea, o hay gigantes, o hay las pequeñas despensas, almacenes y autoservices. ¿Qué van a hacer estos empresarios? Establecer cada vez más, negocios con el concepto de Mini Market, igual a los que ya existen actualmente en Asunción, las redes CityMarket, Día%, y Biggie Express. ¿Qué pasará con los negocios familiares? Los que no se profesionalizan, van a morir, van a desaparecer. Esta es la triste realidad. Si quieren permanecer en el mercado, tendrán que obligatoriamente profesionalizarse.


Resistencia a los cambios

Visito diariamente varios de estos tipos de comercio y lo que he percibido es una enorme resistencia a los cambios. Es un enorme complejo de Gabriela. “Había una canción en los años ochenta en Brasil, que se llamaba ‘Gabriela Cravo y Canela [Gal Costa]’ y un fragmento de la letra decía exactamente eso: “Yo nací así, yo crecí así y soy así, voy a ser siempre así, Gabriela, siempre Gabriela”. Muchos dueños de negocios familiares son verdaderos ‘gabrielones’. Nacieron así y van a morirse así. No se permiten cambiar. Tienen verdadero horror a los cambios. Si alguien entra en su establecimiento para ofrecerle algo nuevo, algo que podrá impactar directamente su negocio, ellos atienden de la siguiente manera: Casi no dan atención al visitante y les dicen: después te llamo, gracias señor, dale Señor. Si el visitante intenta hablar algo más, repiten la misma cosa pero ahora con más énfasis. Después te llamo, gracias señor, dale señor. La impresión que queda al visitante es que quieren deshacerse de él. Una persona que conduce un negocio nunca debería cerrarse a las nuevas maneras de conducir su propio negocio, pero curiosamente se cierra, y haciendo eso, está escribiendo y firmando la sentencia de muerte de su propio negocio.


No hay gestión

La mayoría absoluta de los pequeños negocios familiares, carece de una metodología de gestión. Por otra parte, la gestión es una palabra distante de la realidad de los dueños de esos negocios. Sólo compran mercancías y luego las venden. No poseen registro de entrada ni de salida, tampoco saben cuánto pierden por cuenta de pequeños hurtos, mercancías estropeadas o vencidas. También no tienen ni idea de cuánto están ganando. Si consiguen pagar sus compromisos mensuales y aún les queda algún dinero, entonces el negocio va bien, no les importa cómo. Aún es común para esos dueños de negocios, la práctica del fiado, que en los establecimientos de mayor porte es inexistente. Algunos afirman que es un diferencial para los clientes, pero el hecho es que, los mismos clientes que compran fiado en los pequeños negocios familiares, compran a dinero o tarjeta en los establecimientos mayores, o sea, llevan el dinero a los grandes y se aprovechan de los pequeños. Y con el tiempo, el fiado hace los pequeños negocios inviables y acaba por llevarlos a la quiebra. Además, no hay siquiera un sistema de gestión del fiado, es todo en la base de la libreta mismo. ¿Y la atención, entonces? Aunque la principal característica del negocio es la atención personalizada y calurosa, pero ya pasé por situaciones en las que el dueño del negocio estaba ocupado atendiendo a vendedores y al memo tiempo al teléfono, y me dejó esperando por mucho tiempo. No había tampoco un funcionario capacitado para agilizar la atención. Yo casi dejé allí las mercancías y me fui, faltó poco. Esto no és bueno para ningún negocio.


No hay pasión

Es muy común en estos negocios encontrar estantes antiguos, cosas penduradas por las paredes, algunas por el suelo mismo, o sea, no hay una preocupación con el orden y la disposición de las mercancías para facilitar al cliente, porque en muchos casos el cliente ni siquiera tiene el acceso a las mercancías, es el dueño que tiene que recogerlas y entregar al cliente. He visto algunos lugares donde todavía se utilizan balanzas antiguas, aquellas de puntero y mecánicas. Computadora en el punto de venta, ni pensar, como máximo una calculadora para sumar la compra del cliente. No hay una preocupación en agregar tecnologías al negocio. El máximo que se ve en materia de tecnologías más modernas, son las heladeras y los congeladores. Las heladeras porque se suministran (comodato) por los proveedores de bebidas y gaseosas, y los freezers porque son una necesidad imperativa debido al clima cálido. En el más, ninguna otra tecnología se agrega al negocio. Analizado por un perfil más psicológico, no hay, por parte de los dueños de esos tipos de negocio, pasión por sus propios negocios. Los negocios les sirven sólo para su propia supervivencia y nada más. Si hubiera un poco de pasión por el negocio, cada dueño de negocio querría que su negocio fuera mayor que el del otro, más bien surtido, mejor equipado, mejor gestionado. Creo que cualquier dueño de un negocio al comparar el suyo con el de otro, le gustaría decir: “el mío es mayor que el suyo”. pero para eso es necesario pasión por el negocio, gustar del negocio, invertir en el negocio y no apenas servirse del negocio. Vea en el link abajo un ejemplo de pasión por su negócio.

http://infonegocios.com.py/infogourmet/la-despensa-un-pedacito-de-paraguay-en-berlin


Resumen

En resumen, la gran verdad es que, si los dueños de almacenes, despensas y autoservices quieren ver sus negocios continuar funcionando, es imperativo que se profesionalizen. Es imperativo que busquen modernizar sus negocios, pero sin descaracterizarlos. Es imperativo que agreguen tecnología a sus negocios. Es imperativo que adopten un sistema de gestión para continuar conduciendo sus negocios con buen desempeño. Si no se profesionalizan, van a morir y, dentro de diez a quince años como máximo, serán sólo un recuerdo en la memoria del pueblo paraguayo.

 

POVO ALIENADO, POVO FELIZ

YURI BEZMENOV

Não vou descrever quem é Yuri Bezmenov, pois há farto material na Internet sobre ele, em língua portuguesa inclusive, basta usar o Google e o YouTube. Os quatro primeiros parágrafos deste artigo, são uma transcrição da fala dele em uma entrevista de 1984, em que ele descreve como alguns líderes religiosos (charlatães) contribuem de forma brilhante para a disseminação da propaganda Leninista-Marxista e a desmoralização de países alvo do comunismo. Veja no vídeo abaixo, a partir de 52:00 até 54:15. Recomendo assistir ao vídeo completo, é muitíssimo instrutivo e esclarecedor. O vídeo abaixo é um pacote completo, contém uma entrevista levada ao ar em 1984, uma palestra ministrada em Los Angeles em 1983, um anexo da palestra que dura poucos minutos mas contém informações relevantes e, no final, um vídeo de poucos minutos de trechos da palestra de 1983 adaptados e comparados à realidade brasileira dos últimos 30 anos. 

Importante: Apesar de eu citar por várias vezes a extinta KGB no meu texto, é importante observar que sim, ela pode até estar extinta como organização, mas as ideias e os ideais de disseminação do comunismo através da propaganda Marxista-Leninista continuam fortes e firmes e seus campos de atuação estendem-se ao mundo todo. Nenhum país do mundo está livre ou isento dessa contaminação nojenta, doentia, que ao se infiltrar no país, corrói, corrompe, destrói, desmoraliza, desestabiliza, deixando o país alvo literalmente de joelhos, sem valores morais, sem valores culturais, sem valores intelectuais, sem valores humanos, sem valores econômicos, enfim, um lixo total. 



Meditação e alienação

A KGB estava até curiosa sobre este senhor, e ele pode até parecer inocente: Maharish Mahesh Yogi, um grande líder espiritual ou talvez um grande charlatão e pilantra, dependendo de qual lado você olha para ele. Os Beatles foram treinados em seu Ashram em Haridwar na Índia sobre como meditar. Mia Farrow e outros idiotas úteis de Hollywood visitaram sua escola e voltaram aos EUA absolutamente alucinados com maconha, haxixe e ideias malucas sobre Meditação. Meditar, em outras palavras, era se isolar dos assuntos sociais e políticos atuais de seu próprio país, entrar em sua própria bolha, esquecer os problemas do mundo.


Obviamente, a KGB estava muito interessada e fascinada com uma escola tão linda. Um ótimo centro de lavagem cerebral para ocidentais estúpidos. Eu (Yuri Bezmenov) fui enviado pela KGB para checar que tipos de VIPs ocidentais frequentavam a escola. Minha função era descobrir que tipo de gente vinda do ocidente frequenta essa escola. E descobrimos que sim, há alguns membros de famílias influentes fazedoras de opinião pública dos EUA e outros países do ocidente, que depois voltavam aos seus países com histórias malucas de filosofia indiana. Os próprios indianos os enxergavam como idiotas – idiotas úteis. Isso sem falar da KGB que os enxergava como gente extremamente ingênua e desorientada. Obviamente, um VIP, digamos a esposa de um deputado ou personalidade proeminente de Hollywood, depois de ser treinada naquela escola, é muito mais instrumental nas mãos de manipuladores de opinião pública e da KGB do que uma pessoa normal, que enxerga através desse charlatanismo, desse tipo de treinamento religioso fajuto e não cai nessa esparrela.


E por que essas pessoas são mais suscetíveis à manipulação? Porque uma pessoa que está muito envolvida em meditação introspectiva, se você ver cuidadosamente o que Maharish Mahesh Yogi está ensinando para os ocidentais… a maioria dos problemas, a maioria dos assuntos problemáticos do dia a dia podem ser simplesmente resolvidos… meditando?!! Não balance o barco, não se envolva, apenas sente-se e olhe para o seu umbigo e medite. E as coisas, por alguma lógica estranha, por vibrações cósmicas, vão se assentar sozinhas! Isso é exatamente o que a propaganda Leninista/Marxista quer dos ocidentais: distrair sua opinião, sua atenção, sua energia mental dos assuntos reais de seu país. Que as pessoas mergulhem num Mundo irreal, em assuntos irreais, em uma harmonia inexistente.


Obviamente, é mais benéfico para propaganda Leninista-Marxista ter um bando de ocidentais abestalhados, do que pessoas que são autoconscientes, mentalmente saudáveis, em boa forma física e alertas à realidade. Maharish Mahesh Yogi nem mesmo está na folha de pagamento da KGB, mas sabendo ele ou não, ele contribuiu muito para a desmoralização da sociedade americana, brasileira ou de qualquer outro país ocidental. Ele não é o único. Há centenas desses gurus que vem para o ocidente para faturar em cima da ingenuidade e estupidez dos cidadãos desses países. É uma moda… É moda meditar, é moda não se envolver, é moda pensar que está dentro de uma bolha e imune aos problemas da sociedade ou do país. Ora, se a KGB estava tão curiosa, se pagaram até minha viagem para Haridwar, se me designaram para aquela estranha missão, obviamente eles estavam muito fascinados. Eles estavam convencidos de que esse tipo de lavagem cerebral é muito eficiente e instrumental na desmoralização do ocidente.


Alienação evangélica

Enquanto o sujeito deveria estar preocupado com a situação e com os problemas de sua cidade, de seu estado, de sua país, não! O sujeito, perfeito imbecil de cérebro lavado, fica fazendo discurso e sabe de cor e salteado todas as agruras por que passaram as pessoas do Povo de Israel muitos séculos antes de nossa era. Mas não está nem aí para o que acontece em seu próprio país, afinal, segundo ele, deus está no comando. Ele não vive em Israel, nem mesmo vive naqueles idos tempos, mas está mais preocupado com a problemática do Povo de Israel do que com seu próprio povo, seu próprio país. E enquanto ele espera em deus, os agentes da subversão estão agindo, afinal eles nem mesmo acreditam em deus, mas sabem muito bem (foram treinados para isso) que esse deus é um excelente instrumento para que levem adiante sua agenda subversiva. É a lavagem cerebral religiosa, tão eficiente que deixa os agentes da propaganda Leninista-Marxista com inveja, mas ao mesmo tempo felizes, pois é exatamente isso que eles querem: que as pessoas se situem mentalmente, emocionalmente, intelectualmente e até espiritualmente bem longe de sua realidade imediata, ou seja, bem longe de seu país e dos problemas que o afligem. Assim fica fácil tomar um país, de dentro para fora, numa invasão silenciosa, que acontece de forma imperceptível.


Os principais pastores evangélicos da atualidade, nem mesmo estão na folha de pagamento da KGB, e nem precisam, afinal, eles ganham muito dinheiro ludibriando seus próprios idiotas úteis, que de livre e espontânea vontade entregam-lhes por vezes, vultuosas somas em dinheiro, propriedades, imóveis e outros bens. Sabendo ou não, esses pastores estão contribuindo grandemente para a agenda da KGB, ou da propaganda Marxista-Leninista. Mesmo os pastores honestos, que ministram em denominações mais tradicionais (não vou citar nomes para não ferir susceptibilidades), sem o saber, estão contribuindo para a alienação e indiretamente com a subversão, isso porque a narrativa de seus cultos conduz as pessoas (e as convence) a não se envolver com os problemas mundanos, a se entregar a alguma divindade e deixar que essa divindade traga a solução para os problemas.


Alienação Espírita

Tenho visto ao logo da vida, o quanto as pessoas religiosas fazem questão de se manterem afastadas da realidade imediata e dos problemas mundanos, sob a alegação de que “são problemas mundanos” e, portanto, não são coisas de deus! Excelente! E os espíritas então! Ficam focados “verdadeira vida que é a vida espiritual”, mas que só poderão gozá-la após a morte física, e enquanto estão aqui, esses completos alienados, não dão a mínima para o que se passa à volta deles. Aliás, todo e qualquer problema ou dificuldade por que estejam passando, fruto obviamente de toda essa tática de subversão que vai corroendo e destruindo o país aos poucos mas de forma inexorável, é tida pelos espíritas como “carma” ou como consequências de ações em vidas anteriores e, portanto, muito pouco ou quase nada pode ser feito. Aliás, é melhor nem mesmo se envolver com nada disso, já que após a morte poderão ir viver a tão sonhada “vida espiritual” num paraíso que está sempre num lugar e num tempo distante, muito distante da realidade.


Alienação Nova Era

A coisa mais estúpida que eu já ouvi de pessoas ditas “espiritualizadas” é que pessoas espiritualizadas não pegam em armas, seja porque motivo for. Pessoas espiritualizadas (diga-se doutrinadas, domesticadas) por essas religiões do tipo nova era e algumas filosofias tipo Gnosis, Logosofia e outras, são fortemente encorajadas a extirpar de seus sistemas emocionais  a ira, a raiva, a revolta, enfim, toda e qualquer emoção que possa ser resultante da indignação. Ora, bolas, se a pessoa torna-se incapaz de se indignar, de sentir raiva, de sentir revolta, então ela está exatamente do jeito que os agentes da subversão as querem: verdadeiros cordeirinhos mansinhos, incapazes até mesmo de se defender.


Os agentes da subversão ficam felizes com esses tipos de atitudes acima descritas, isso lhes poupa um monte de trabalho e, enquanto os cidadãos alienados ficam focados fora da realidade, eles trabalham! E trabalham 24 horas por dia, 7 dias por semana sem descanso, afinal eles tem uma agenda a cumprir que é a de desmoralizar e desestabilizar o país onde você vive, mergulhando-o numa crise moral e institucional sem precedentes, transformando-o a cada dia num lugar cada vez pior para se viver, e quando você finalmente se acordar para a realidade, será tarde demais, o inferno já estará instalado e você será mero escravo nele! Continue assim, continue vivendo totalmente desconectado da realidade. E depois, pague o preço, que é a sua liberdade e a sua dignidade.

O propósito final do comunismo, não é o de vender coisa alguma, muito menos ideologia (embora a ideologia seja uma ferramenta necessária ao processo), mas sim destruir a civilização na qual a riqueza e a liberdade se baseiam e substitui-la pelo sistema de controle total da vida dos seres humanos. Um sistema de exploração total, esse é o objetivo final.  



Alienação tecnológica

Acho que esse tipo de alienação nem precisa ser comentado, não é mesmo? A imagem fala por si. Incluso aí está a alienação midiática e toda a sorte de lixo cultural que é disseminado por esse meio de comunicação com programas do tipo Big Bosta Brasil, novelas, shows de babaquices dominicais, telejornais e etc. Mas isso não entra no escopo deste artigo, já que a mídia de massas é e sempre foi uma importante ferramenta da disseminação da propaganda Marxista-Leninista. Filósofos e palestrantes como Pondé, Karnal e Cortella são utilizados com maestria pela mídia para esse fim. E você aí achando que os caras são o máximo! Artistas e cantores que são o supra-sumo da babaquice e verdadeiros lixos culturais. É melhor não escrever mais nada…


ATUALIZAÇÃO 13/02/2018 – CONFIRMANDO A ALIENAÇÃO

Retirado de uma postagem recente no Facebook. Não me lembro quem, exatamente, fez essa postagem. Se foi você, manifeste-se nos comentários abaixo.


Quem, eu?

O Instituto londrino Ipsos constatou em 2017 que os brasileiros são o segundo país do mundo em falta de percepção da realidade. A pesquisa foi feita em 38 países e Brasil só ficou atrás da Africa do Sul no quesito alienação. Sobre questões simples, por exemplo, como a quantidade de brasileiros conectados ao Facebook, a crença é a de que 83% estejam plugados na rede de Zuckerberg. Na realidade, são 47%. O mais notório é a falta de aprofundamento em questões sociais. Há quem possa discordar, mas não há como negar que a falta de leitura, ausência de interesse em qualquer coisa que não signifique o próprio conforto imediato ou a existência desde sempre de uma imprensa comprometida contribuem em muito para essa realidade.

No eco e na ressaca de oito anos de governo de um semianalfabeto oportunista e de mais cinco de uma maluca incompetente, existe uma legião de brasileiros que se orgulha em evitar conversas e a simples discussão sobre política ou questões sociais, se mantendo felizes e faceiros à parte. São os repetidores de um velho refrão: nada vai mudar, portanto para que perder tempo discutindo?

Para quem discorda, que observe o carnaval do povo feliz. Brasileiros estão aparentemente se lixando para os impostos extorsivos que pagam, para o quanto sai de seus bolsos diariamente para pagar privilégio de bandidos, ou para quantas pessoas morrem diariamente em filas de hospitais públicos. Isso não importa, está numa região nebulosa longe de sua vida e de seu alcance. O que importa realmente é carnaval, futebol, Big Bosta Brasil, cerveja e de vez em quando sexo divertido. De braços dados com a Africa do Sul -tem carnaval lá?- somos um exemplo para o mundo. O exemplo de que, afinal, a ignorância traz consigo a felicidade.

Quem quiser verificar e confirmar os resultados da pesquisa do instituto Ipsos, segue o link do artigo original.

https://www.ipsos.com/ipsos-mori/en-uk/perils-perception-2017


.

DATACENTER GOVERNMENT TROLLS

INFILTRADOS, ENCRENQUEIROS E OUTROS PARASITAS

Atuo como moderador no blog OVNI Hoje e um dos problemas com que mais me deparo, enquanto moderador, são justamente os Agentes Infiltrados, que se passam por comentaristas comuns, acima de qualquer suspeita. Você pensou que fossem os “Haters” e outros tipos de psicopatas que entram nos fóruns (áreas de comentários) para xingar, ofender e criar distúrbios? Bom, você quase acertou. Os verdadeiros haters e outros desocupados são fáceis de lidar, geralmente após banidos de um site ou blog ou comunidade, não voltam mais. O que vou relatar a seguir se refere aos Agentes Infiltrados, cuja missão é justamente a de dispersar comentaristas quando o assunto está num nível intelectual mais elevado e é um problema recorrente, pois mesmo quando banidos, continuam agindo com nicks diferentes e, na maioria das vezes, você nem sequer suspeita que está lidando com um desses agentes. 


Na verdade, “Government Trolls”, infestam e comprometem sites de ufologia (não só de ufologia, mas também esotéricos, científicos e outros) desde os primórdios da internet, e até bem antes disso. Bastava que se formasse algum grupo de estudo sobre o assunto e rapidamente ele era infestado por agentes treinados para ‘dispersar’ o grupo. Então, esse tipo de coisa sempre irá ocorrer. Como moderadores, só podemos banir, banir e banir a cada vez que reconhecemos um deles em ação. A palavra “Government” na definição, é na verdade irônica, pois não são agentes do governo (qual governo?) e sim agentes de Agências de Inteligência a serviço do sistema (status quo, establishment). Normalmente, são tipos psicóticos, psicopatas, narcisistas, treinados durante anos pelo “Metamorph Personality Program”. São especialistas em infiltração, e são capazes de emular até uma dúzia de personalidades diferentes (nicks). Agem em Datacenters projetados especificamente para essa finalidade, onde cada operador tem à sua disposição um equipamento que pode rodar diversos sistemas operacionais ao mesmo tempo (Virtual Machines) conectado à Internet através de mascaramento de IPs e seis monitores dispostos de três em três, onde cada monitor corresponde a um PC virtual com um IP específico. Quando rastreados, caso você consiga identificar todos os seis, parecem estar em vários lugares do mundo ao mesmo tempo. Os operadores, depois de receberem as instruções sobre os “alvos”, fazem login em vários fóruns ao mesmo tempo ou num mesmo fórum com vários nicks. Para os demais comentaristas daquele fórum em particular, esses trolls parecem pessoas comuns, realmente interessadas no assunto. Até que…


No vídeo a seguir (clique no link) é mostrado como é montado e colocado em funcionamento um ‘Government Troll Datacenter’. É explicado também, em detalhes, como agem os ‘agentes’ e como marcam seus alvos. 

https://drive.google.com/open?id=1xXYT5m8cvD1QiFLlT73E6u9jGUG60Ywg


Nesse segundo vídeo, é explicado como funciona o ‘Personality Metamorph Program’.

https://drive.google.com/open?id=1FBWJosSWFW0DbvWjsq13qzVCpSGC4tgy


São mentirosos contumazes, extremamente persuasivos, mas desprovidos de emoção ou empatia. Solicitam amizade a você no facebook ou outra rede social, e quando você examina o perfil, verifica que é um perfil de um bom moço (ou boa moça), com família, amigos, excelente histórico (fake background). Você é levado a acreditar que se trata de uma ótima pessoa e, depois de algum tempo, está até fornecendo-lhe informações íntimas, confidenciais ou comprometedores, coisas que você não falaria a qualquer um. São extremamente envolventes, como qualquer tipo narcisista ou psicopata. É assim que eles descobrem seus pontos fracos psicológicos e os utilizam com maestria para desestabilizar você numa conversa em um fórum qualquer. Obviamente fazem isso com um nick diferente para não serem reconhecidos. Outra coisa que eles fazem muito e com muita maestria, é logar num fórum ou blog com três ou quatro nicks (avatares) diferentes e quando tudo parece estar bem, eles criam um enorme distúrbio discutindo entre eles mesmos, ou seja, o cabra começa uma discussão ofensiva com ele mesmo, utilizando dois nicks diferentes, e então um terceiro nick (ele mesmo) também entra na discussão e isso acaba levando outros comentaristas a se envolverem na mesma discussão. No fim, vira um baita dum barraco.


Já percebi, através do painel de moderação, que há alguns Trolls que, quando se manifestam e acabam sendo banidos, fico surpreso ao ver que estão cadastrados no disqus ou no livefyre há mais de um ano, ou ate mesmo mais de três anos mas tinham feito apenas um ou dois comentários há cerca de dois ou três meses. Isso me leva a crer que são nicks ‘reserva’, previamente cadastrados, para serem utilizados por esses trolls no momento em que se faz necessário. E quando é o momento em que se faz necessário? É justamente quando um debate numa área de comentários está fluindo bem, com os vários comentaristas comentando de forma sadia, uns perguntando, outros respondendo, outros passando informações úteis e que agregam valor ao artigo, outros trazendo links de fontes externas para ajudar no entendimento e assim por diante. É sempre nesse momento que o “Government troll” entra em ação para provocar distúrbios e seu modus operandi principal é tentar de todas as formas desqualificar ou desacreditar o que está sendo discutido. A forma mais comum de provocar um distúrbio e iniciar debates circulares (falácias) com alguns dos comentaristas e leva-los à loucura, até que percam a compostura e comecem a utilizar de palavras de baixo calão. Isso leva os demais comentaristas a abandonar a discussão. Objetivo alcançado. Faz parte de seu modus operandi também, o sarcasmo, a ironia, os ataques pessoais, o uso de palavras ofensivas e por aí vai. Seu objetivo é o de sempre provocar distúrbios e dispersar os comentaristas para que o assunto não evolua em comentários construtivos.


E há também os parasitas, que se infiltram em blogs com grande numero de comentaristas e com grande fluxo de comentários (caso do OH), para justamente angariar adeptos e seguidores de suas doutrinas e sistemas de crenças. Mas isso é assunto para outro post. Embora alguns usem do expediente textual de “convidar a não precisar visitar o blog”… é notório a tendência constante de alguns comentadores quererem sutilmente impor e induzir seus pensamentos de forma surdamente doutrinária. Em qualquer fórum ou comunidade, sempre há tipos que… como li em um comentário no Facebook… sofrem de uma espécie de patologia psiquiátrica em que é evidente a exposição de forma indutora que permeia toda a sorte de místicos religiosos, ufólatras, esquisotéricos e até mesmo os fissurados em ciência!


A questão está na forma como se comportam! Como escreveu uma comentarista do OVNI Hoje: tentam transformar os blogs de temas ufológicos que visitam em sua seara doutrinária! E aqueles incautos que se deixam levar pelo discurso rocambolesco caem na teia da sedução angelical de pomposidade escrita e ideários dos mesmos! Mas aqui no OH… não! Não encontram terreno fácil… apesar de fértil! Vez ou outra são educadamente enxotados e quando percebem que não serão capazes de “Jim Jonescar” (crédito: Sr Spock) os comentaristas que na sua metade são bons patrulheiros, vão embora sob um avatar e retornam com outros com a pretensão de que não serão percebidos pelos seus rastros de idéias rasas amparadas no politicamente correto (politicamente patético)! Vide o debate no post sobre o estranho objeto deixando a atmosfera terrestre em que um moderador explanou até ilustrativamente além de textual de forma contundente refutando assim a teoria de dois comentadores e suas divagações de… naves de outra dimensãããão!!!


Foto em longa exposição mostrando claramente o rastro deixado por um avião em curva e em baixa altitude. Tentaram convencer os demais colegas comentaristas de que se trata de uma nave dimensional. 

A CEREJA DO BOLO

CENÁRIOS DANTESCOS

Sempre achei difícil de engolir um conceito amplamente difundido nos meios esotéricos e espirituais: o desencarne em massa assistido por “espíritos de luz” que acorrem ao local para prestar assistência aos recém desencarnados em acidentes gravíssimos, tragédias, acidentes de grande monta com aeronaves, ônibus, trens ou outros locais onde haja aglomeração de pessoas em trabalho ou passeio. Outro conceito que está associado a esse fato é que são “espíritos de luz” ou ainda, “espíritos superiores”, que guiam e conduzem as pessoas que estão destinadas ao desencarne em massa, através de intuição ou de pequenas interferências na rotina diária ou no trajeto destas.

Fico (ficava) sempre me perguntando: como é que podem seres chamados de “espíritos de luz” ou “espíritos superiores” ficarem assistindo de forma absolutamente impassível a dor e o sofrimento de centenas de pessoas, cujos entes queridos morrem (morreram) horrivelmente num acidente desse tipo? Com podem permanecerem completamente indiferentes a dor e ao sofrimento de entes queridos que choram desesperados enquanto cumprem suas tarefas de “resgate e encaminhamento”? Cenas de filmes que abordam o tema, bem como textos de livros afins, descrevem exatamente esse tipo de cena exemplificado acima. São imagens que mostram desencarnados totalmente perplexos diante da nova realidade que se descortina diante de seus olhos, enquanto que seres espirituais, supostamente “da luz”, ficam absolutamente impassíveis no cenário, não se importando nenhum pouco com o sofrimento e a dor dos que ficaram. Tem-se a impressão de que a vida sem um corpo biológico (organismo de suporte à vida) fosse muitíssimo mais vantajosa que a vida no plano físico, sendo que é neste plano que é onde se pode construir, interagir, evoluir, crescer, transformar, estabelecer relações, criar associações, curar feridas, solucionar problemas, etc. etc. etc.

Num acidente grave, de grande monta, onde muitas pessoas vem a morrer em conseqüência de graves ferimentos, o que temos de fato é um cenário dantesco: sangue, muito sangue, dor, muita dor, medo, muito medo, choro, muito choro. De ambos os lados, encarnados e desencarnados. A que classe de espíritos  ou seres espirituais interessa de fato esse cenário que perde de longe para o mais horrendo dos filmes de tragédia ou terror? Se você respondeu, ou pelo menos imaginou, que são os espíritos das trevas, predadores, vampiros, sedentos por energia vital, que só os que possuem corpos biológicos a tem, pois a recebem ao nascer, você acertou. Seres das sombras, seres das trevas, predadores energéticos de toda espécie também precisam dessa energia vital, pois ainda se encontram em uma densidade muito próxima da dos seres biológicos vivos, mas não sabem como obter essa energia de forma natural. Seres verdadeiramente iluminados não precisam buscar por energia vital a partir da vampirização de seres biológicos vivos, pois sabem como obtê-la direto da fonte, do criador de todas as coisas. Seres do baixo astral, seres negativos, predadores, vampiros, espíritos das trevas e das sombras, por não saberem como obter essa energia vital, são forçados a “predar” seres biológicos vivos, principalmente humanos, já que humanos tem o componente emocional que torna as energias polarizadas negativamente. É por isso que precisam promover muita dor e sofrimento. De outra forma a energia obtida não estaria adequada para ser utilizada por esses tipos de seres negativos.

O que se vê de fato em um cenário assim, é uma verdadeira festa de vampiros e predadores, apropriando-se da energia vital dos que estão gravemente feridos, dos que estão sangrando ou até mesmo inconscientes. Pior ainda para aqueles, não conscientes da existência de outras dimensões, que nem mesmo sabem que morreram e ficam vagando pelo cenário desolador, desesperados, muitas vezes sendo perseguidos e aprisionados por uma horda de predadores, sem entender o porquê de tudo aquilo e sem conseguir interagir com os que estão ocupando corpos biológicos conscientes (os vivos). Claro, não conseguem interagir, porque as frequências vibratórias são diferentes, e também porque já não mais possuem seus corpos biológicos, ferramenta imprescindível para atuação no plano físico. O pior dos filmes de terror não consegue sequer dar um vislumbre do cenário dantesco que pode ser observado (quando se tem olhos para isso), em um local onde ocorreu uma tragédia de grande monta.

Seres verdadeiramente iluminados, espirituais ou biológicos, não promovem dor e sofrimento, nem exigem sacrifícios. Aliás, a exigência de sacrifícios em si já deveria ser um forte alerta, pois somente seres megalomaníacos exigem sacrifício e adoração. Seres iluminados não precisam de insuflar o próprio ego exigindo sacrifícios e adorações. Pelo contrário, seres iluminados promovem a evolução dos demais seres conduzindo-os à alegria e felicidade, bem como a realizações que promovam o bem estar geral. Quem promove dor e sofrimento são os predadores, seres das sombras, seres das trevas, seres com baixíssimo nível consciencial. São esses seres, que devido à sua natureza vibratória, conseguem interagir com humanos encarnados e “sopram” em seus ouvidos: vá por aqui… vá mais cedo ao aeroporto… ande mais depressa… vá mais rápido… ultrapasse aquele carro agora… deixe esse parafuso para lá, não irá fazer falta… não precisa revisar esse motor agora, ele agüenta mais uma viagem… (a viagem fatal)… e por aí vai. São esses seres negativos que “combinam” tudo direitinho, criam as circunstâncias adequadas para promover um grande derramamento de sangue e conduzem as pessoas “escolhidas” para se reunirem em grande número no local que será uma verdadeira festa para vampiros de toda espécie, prato cheio para predadores e seres das sombras. Mas sempre ouvi dizer que “espíritos de luz” é que promoviam esses “encontros” para desencarne em massa com o objetivo de resgate cármico, porque os que ali se encontram tinham “acertos” de vidas anteriores e blá, blá, blá… Seres de luz promovendo a dor e o sofrimento? Com que propósito? Para servir a quem? Ao deus Moloch?

E depois ainda temos a “cereja do bolo” da lavagem cerebral: “esta vida não é importante, importante é a vida espiritual que você irá viver depois que morrer”. Sim, e de preferência você deve morrer de forma horrenda e fazer o maior número possível de pessoas sofrerem com a sua morte, pois todos os envolvidos precisam resgatar dívidas cármicas que nunca terminam, repetem-se por milênios a fio, numa espécie de “Feitiço do Tempo”. O mais importante é a vida que você vai viver num tempo e lugar bem distante da realidade, sempre em outro mundo, sempre em outro tempo, nunca no aqui e nem no agora. Na verdade, segundo certos preceitos e doutrinas, o aqui e o agora são perfeitamente dispensáveis. Um convite atraente para a inação. Porque tentar deixar um mundo melhor para seus descendentes se nem você nem seus descendentes irão viver no mundo? Ah, eu ia esquecendo: muitos, mas muitos mesmo, acreditam piamente no tal do “descanso eterno”. Não fazem nada enquanto vivos neste planeta, enquanto portadores de um corpo biológico maravilhoso, não contribuem em absolutamente nada para a melhoria do planeta, nem mesmo para melhorar a vida dos que lhes são queridos, mas desejam ardentemente o “descanso eterno”. – E o que estamos fazendo aqui então? Por que será que o Criador de todas as coisas se deu ao trabalho de criar planetas maravilhosos e com condições de abrigar vida biológica se não é “para que haja vida em abundância?” Seria só para os seres “passarem um tempo” e não terem tempo sequer de evoluir e crescer nem contribuir positivamente uns com os outros? Isso sim, é uma verdadeira Sacanagem Cósmica. Pura lavagem cerebral. Só se forem “espíritos da luz negra”, sedentos por sangue, para gostarem tanto de dor e sofrimento. São esses mesmos “espíritos de luz”, “espíritos superiores”, que tomaram posse do planeta há milênios e obrigam os seres humanos a gastarem a melhor e mais produtiva parte de suas vidas trabalhando e pagando contas, trabalhando e pagando contas, num interminável ciclo que em nada contribui com a evolução da espécie humana no planeta, serve apenas para insuflar seus egos e fazê-los pensar que estão tendo alguma vantagem em possuir casas, mansões, carros, carrões e outros tantos brinquedinhos que servem apenas para distrair e impedir que o tempo seja bem aproveitado. Sim, verdadeiramente um Feitiço do Tempo.

Como você pode observar, caro leitor, esse tipo de coisa acontece por falta de vigilância. Vigiai e orai, foi nos dito certa vez… Negligência, imprudência, imperícia… as maiores e principais causas de acidentes que se transformam em grandes tragédias, seja por terra, por mar ou pelo ar. Seja uma boate que incendeia, seja um avião que cai, um trem que descarrila… Não importa. Sempre houve alguém que deixou de fazer algo porque achou isso menos importante. Um laudo ‘subornado’ certificando a segurança do local, uma revisão que não foi feita, uma peça que não foi trocada, o dinheiro que foi desviado e faltou para o sistema de automação dos trens e sinalização dos trilhos e estações… Mas para esses casos, arranjaram desculpas perfeitas: “Vontade de deus”, “Resgate cármico”, “Merecimento”… justificando assim a falta de prudência, a falta de cuidado, a falta de profissionalismo, a falta de responsabilidade, a falta de consciência, a falta de consideração pelos demais… E ainda atribuem todo o horror resultante a “seres de luz” Só se forem luzes das chamas ardentes dos mais profundos dos infernos.

Aos que oram e vigiam, é possível sim, que verdadeiros seres de luz tenham intercedido em favor deles, evitando assim que estivessem presentes nos locais onde ocorreram acidentes trágicos. É a história do sujeito que perde o ônibus e por conseguinte, perde também o avião, salvando-se assim de forma notória. A mídia de massas adora isso. Aliás, não só a mídia de massas, mas também todos os fanáticos religiosos com baixíssimo nível de percepção da realidade adoram isso e depois do ocorrido postam fotos nas redes sociais dizendo: Milagre de Deus, duzentos morreram, mas este homem foi salvo por Deus! Que diabo de deus é esse, que precisa matar duzentos e salvar um para mostrar a sua glória e assim obter sacrifícios e adorações de seus fanáticos seguidores? No final das contas, fatos legítimos que comprovam a ação de verdadeiros espíritos de luz, acabam sendo utilizados pela mídia, de forma distorcida, para alimentar ainda mais o fanatismo e a cegueira religiosa. Somente seres perversos e com egos inflados exigem sacrifício e adoração, portanto, esse deus, caso exista mesmo, é o deus dos seres perversos, dos predadores, dos vampiros, dos seres das sombras e das trevas. E o fato de uma pessoa se salvar não foi de fato um milagre desse tal deus, mas uma falha grave de seus assistentes negativos, que não foram suficientemente competentes para arrastar o tal sujeito à armadilha, digo, ao local da tragédia.

Vigiai e orai!

PANTIO E COLHEITA

PLANTIO E COLHEITA

Concordo que você colhe o que planta. Corretíssimo! Mas se você é um ser elevado e com papel importante neste plano, pode plantar o bem a vida toda que a Cabala mandará pragas para acabar com sua colheita. Sempre foi assim nessa civilização. E, se você for um ser pequeno, egoísta, baixo, infiel e desinteressante, pode conseguir tudo, sem interferência, até com ajuda. Provavelmente terá poder e dinheiro. No fim, vemos pessoas realmente boas passando as maiores dificuldades e ainda cercadas de gente má, invejosa que mesmo assim ainda querem pisá-las, esmagá-las, tamanho o ódio que pessoas iluminadas provocam nelas. Vemos pessoas sem valor algum se dando bem de alguma forma. E isso em 99% dos casos. Lamento, assim é por enquanto.

Se você veio em missão, com contrato de alma, lutar, trazer Luz e equilibrar a batalha, você será combatido por todos os lados. Desde criancinha. Não se iludam! Pode até ser morto. Atacado e invejado será, e muito, sem qualquer motivo, somente por ser iluminado. Vão querer ser como você, mas como não conseguirão, te atacarão e competirão com você achando, na visão deles, que lhe superarão. Se associarão a pessoas ingênuas ou do mesmo calibre, que os apoiarão mais do que a você e os farão se sentirem bem. Mas nunca estarão bem. A lembrança de que você ainda existe e tem mais Luz do que eles nunca os deixará em paz. Por isso não descansarão até te verem sem energia, destruído. Esse é o sincero e profundo desejo dessas pessoas. Esses são os coitados… Não importa o que façam.

Você é uma espécie de espelho para eles. Espelho medidor de grandeza. Isso os irrita, sempre. Não suportam a realidade. Por isso buscam poder, dinheiro, amigos, “likes”, esconderijos dentro de si mesmos. Mas isso não mudará a realidade. Não ligue nem lamente. Siga observando, sem julgar. Essa vida, essa missão, isso aqui, é breve. Aprendam, observem, cresçam. Você pode crescer, eles não, são robotóides, humanos incompletos. Vieram assim de fábrica. Nem discuta com eles. Não podem evoluir. Não foram feitos para isso. Não têm todos os chacras.

Deixe-os…

E agradeça, profundamente.

Antonio Leite (from facebook)


Verdades incômodas

É por isso que um certo conhecimento foi devidamente manipulado e chamado convenientemente de “O grande consolador”: para convencer as pessoas que estão passando por graves dificuldades, que elas estão assim por ‘merecimento’, por causa da ‘colheita’, por causa do ‘karma’, por terem feito coisas pouco louváveis em ‘vidas passadas’, e por aí vai. Uma doutrina de conformismo, de aceitação, de desânimo mesmo. Uma doutrina que leva o sujeito a acreditar que está assim porque merece estar assim, e que de nada adianta buscar, lutar ou se revoltar, porque esse é o seu carma, a sua ‘colheita’. Morreu porque ‘chegou a hora’, ainda que tenha sido vítima de um atentado ou mesmo de pura negligência ou imprudência de outrem. Muitíssimo conveniente. Até quando vamos nos permitir sermos reféns de preceitos religiosos imbecis, de doutrinas estúpidas, de filosofias limitantes e que nos cegam para a realidade dos fatos?


Planeta prisão?

Este não é um planeta prisão, como muitos cérebros lavados nos tentam convencer, e o fazem com base em afirmações infelizes ditas por líderes religiosos de intenções duvidosas. A verdade é que o planeta Terra foi tomado de assalto por várias raças de seres predadores, que aqui estão há milênios sem conta e fazem o que querem com os demais seres que habitam o planeta, incluso aí os seres humanos, que são objeto de todo o tipo de experimentos, genéticos inclusive, e fazem isso se receber a menor punição, sem sequer receberem um “puxão de orelhas”. O curioso é que para eles não tem valor a lei da colheita, essa lei não se aplica a eles. Sim, porque se essa lei tivesse algum efeito sobre eles, não estariam escravizando a população do planeta Terra há milênios, incluso aí o fomento a guerras de todos os tipos e por todos os motivos mais banais, mais imbecis. São sempre os mesmos seres predadores que fomentam as guerras, incitando cada um dos lados separadamente e colocando-o contra o outro lado, num ‘modus operandi’ de tal sordidez que deixaria Nicolau Maquiavel humilhado e com inveja.


Tudo mentiras

As pessoas, no planeta inteiro, pelo menos nos últimos seis mil anos, vem sendo influenciadas por essas raças de predadores. Eles detém as informações de praticamente todas as escolas do mundo e modificaram-nas. Toda a história documentada deste país e de todos os demais países do mundo, foi influenciada por mentiras sobre astronomia, mentiras sobre a matemática, mentiras sobre as capacidades e habilidades técnicas mais básicas, mentiras sobre o Universo e por aí vai. Certo? É tudo mentira. Todos os PHDs deste planeta, sejam da área de ciências, seja da área da medicina, seja da área da astronomia, não faz diferença, todos os livros que eles leram, os seis anos que passaram nas universidades, é tudo mentiras e mais mentiras. ‘Eles’ não dizem a verdade, não fomos ensinados sobre a verdade.

Tradução livre da fala de William Tompkins, engenheiro aeroespacial, trabalhou na Douglas Aircraft, Lokheed Martin e TRW. Faleceu na última segunda-feira 21 de agosto de 2017 aos 94 anos.


Merecimento?

Gostaria muito que os cérebros lavados, seguidores de doutrinas conformistas, me dissessem com sinceridade se as crianças que trabalham como escravas em colheitas de Cacau e em extração de minérios em países do Continente Africano e em outros lugares mundo afora são merecedoras de tal destino, um destino cruel em que as mesmas não tiveram a menor chance e continuarão não tendo a menor chance de uma vida digna por gerações a fio, a menos que se faça algo para parar isso. Sim, provavelmente você dirá que sim, e virará as costas para os fatos, dirá que não é problema seu. Afirmar que isso é merecimento é dar validade à violência praticada contra essas pessoas inocentes.

Todos os dias no planeta inteiro, pessoas são sequestradas, tiradas de suas famílias e de suas vidas cotidianas, para serem usadas como escravos sexuais, escravos em fábricas clandestinas (algumas são perfeitamente legais), em áreas de mineração e até mesmo em rituais de sacrifícios humanos. Isso em pleno século XXI. Já se contabiliza cerca de dois milhões e cem mil pessoas desaparecidas ao ano no planeta, já descontados aí os casos solucionados. São pessoas que desaparecem por completo, sem vestígios, sem cadáver, sem nada. Para onde estão indo? Para outros planetas, talvez? Colônias de escravos algures, mantidas por raças de predadores que deitam e rolam aqui no planeta e ainda contam com o aval de governos? Silêncio… Mas segundo os seguidores de doutrinas conformistas e filosofias manipuladas, essas pessoas são merecedoras do que lhes acontece. Muito interessante e conveniente: pratica-se todo o tipo de mal contra as pessoas, conta-se com o aval de governos e instituições poderosas e influentes bem como redes de tráfico muito bem estruturadas e organizadas e para ficarem ‘de boas’ com a consciência, transferem para as vítimas a responsabilidade pelo mal sofrido. “Se aconteceu com eles é porque são merecedores. Muito conveniente, não é mesmo? Assim, livram-se da responsabilidade de ter que tomar uma posição, tomar uma atitude, afinal, não é problema deles. Mais uma vez, Maquiavel está sendo humilhado. Afirmar que isso é merecimento é dar validade à violência praticada contra essas pessoas inocentes.


Causalidade e Carma

P: Qual é a diferença entre a causalidade e carma? C: A causalidade é simplesmente a lei de causa e efeito, e é puramente uma lei de física, sendo que nos planos físicos e de energia superior, se fizermos uma determinada ação, que desencadeie uma certa reação, isso é apenas a lei da física a funcionar. O Carma é uma ideologia que pretende manipular a realidade da causalidade e transformá-la noutra coisa, criando uma desculpa, afirmando que o que está a acontecer agora é o resultado das suas ações passadas quando, na realidade, a maioria dessas ações foi projetada pela cabala e pelos arcontes…

Concordo. Como podemos ver, a Cabala e Cia sabem quem eles precisam bloquear na vida, perseguir, as vezes até matar. Isso explica porque muitas pessoas do bem, inteligentíssimas, capazes, honestas, não conseguirem se levantar e mostrar ao mundo o quanto podem contribuir e construir com exemplos magníficos e sabedorias descomunais. O mundo seria outro. E, ao oposto, vemos humanos desprezíveis “se dando bem”. Mas não se enganem, não estão tão bem assim. A vibração do planeta está dando “ruim” para eles. Cada vez mais. Em todos os sentidos. Questão de tempo.

Antonio Leite (from facebook)


Pão e circo 

Tudo combinado para desviar a atenção do que realmente importa, o desmembramento da Cabala. Vidas não humanas descobertas, rede de pedofilia tendo mais de 500 pessoas de alto escalão social sendo presas, bancos falindo, EUA crescendo assustadoramente com Trump, Sionismo sendo eliminado, famílias Iluminatti sem perspectivas de sustentação de seu poderio, Rússia ameaçando – com moral de potência superior- a todo o ocidente (seus líderes) a pararem a engenharia homosexualizadora e redutora da população, Venezuela em desespero com o ditador Maduro, o socialismo separatista das minorias estúpidas sendo desmascarado, chemtrails sendo comprovados e o silêncio dos governantes e da mídia, as feministas tendo de engolir seu próprio esperma, redes de mídias corporativistas pro-NWO perdendo audiência e com credibilidade quase zero, GESARA, NESARA, RV…

…e o que importa é um foguetinho moribundo sem poder de fogo, provocativo e sem nexo algum sendo a notícia do medo da hora. Pão e circo para palhaços, meus caros. Não caiam nessa mais. Daqui a pouco vem o futebol, as catástrofes climáticas, as trolhas políticas, a economia falida, mas o que importa mesmo nunca se fala.

Antonio Leite (from facebook)


.